• Alex Fraga

Artigo - "O Seguimento de Jesus", por P. Osmar Resende

O artigo deste domingo no Blog do Alex Fraga do P. Osmar Resende, sdb, da Paróquia Dom Bosco de Guarapuava (PR) intitulado: O Seguimento de Jesus.


O SEGUIMENTO DE JESUS

Osmar Resende SDB


Jesus nos convida a segui-lo. Mas coloca algumas condições para o seguimento. “Quem quiser ser meu discípulo tome sua cruz todos os dias e siga-me”. O seguidor de Jesus deve estar disposto a tudo.

O apóstolo, discípulo de Jesus, não pode estar demasiado apegado às pessoas, às coisas que nos dão uma relativa segurança nesta vida. Devemos estar dispostos a deixar os laços familiares se queremos seguir radicalmente a Cristo. Não abandonar, é claro, mas dar prioridade a Cristo, ao Evangelho, ao Reino de Deus.

Para seguir a Cristo devemos ter nossa escala de valores, pelos quais optamos em vista do anúncio de Jesus, de sua proposta de vida. Aliás, Ele veio para que todos tenham vida e tenham em abundância.

Devemos deixar nossa zona de conforto para nos entregarmos ao projeto de Deus: o Reino de Deus.

Jesus, porém, não nos impõe. Pelo contrário, nos dá ampla liberdade de escolha entre os vários caminhos. E, ao mesmo tempo, também nós não podemos e não devemos ser proselitistas.

Cada um recebe um chamado. Jesus convidou o jovem rico. Ele não quis segui-lo radicalmente. Mas certamente está na bem aventurança eterna, uma vez que cumpria os mandamentos e procurava ser uma pessoa do bem.

Para seguir Jesus Cristo é fundamental a fé. A fé, por sua vez, implica vários passos. Crer, acreditar em Deus, em Cristo. Aderir sincera, profunda e incondicionalmete à pessoa de Jesus. Amá-lo, apaixonar-se por sua pessoa, por sua causa, pelo Evangelho, pelo Reino de Deus. Entregar-se de corpo e alma ao projeto de Jesus. Numa palavra: comprometer-se com Cristo.

Assim sendo, será uma pessoa, que como Jesus anda na contra-mão. Rema contra a corrente, não se identificando com os modismos. O Evangelho é, em parte, como diz Pascual Chavez, anti-cultural. Eu disse em parte, porque devemos valorizar e viver, na medida do possível, os valores culturais. Porém lutamos sempre contra os anti-valores que existem nas diversas culturas.

Defensores e promotores da vida, não podemos nos curvar diante das propostas de violência contra o direito fundamental da vida.

152 visualizações1 comentário