• Alex Fraga

Reflexão - Eu, no escuro da noite, por Sylvio D Prospero

Primeira segunda-feira de outubro, texto de reflexão do poeta e escritor de Curitiba (PR), Sylvio D Prospero, com seu `EU, no escuro da noite`

Balançando num galho branco pálido com um amarelo sonolento, tornando o escuro da noite numa matiz de cores lusco-fusco, caminho como sempre, sem um destino certo, apenas buscando encantos sem precisar pegá-los. Passo numa praça deserta, com seus bancos solitários, que só se sentem vivos quando alguém se assenta neles, vejo as árvores escondendo os pássaros, que aguardam o dia nascer para alegrar o espaço. Desvio de um carro estacionado, com seus vidros embaçados, que denunciam um ato de amor maroto, que um faz no outro, guiados por uma música deleitosa que acompanha o embalo. Eu continuo a andar, guiado agora pela luz néon de um bar aberto. Adentro, saúdo o garçom, me sento junto à uma mesa, peço meu Velho Jack, uma garrafa de água mineral sem gelo, prontamente colocadas na minha frente. Na mesa ao lado, uma mulher de meia idade, bem retocada de pintura barata, me saúda com um levantar de copo, que retribuo sorrindo. Nasce aí, não um olhar de desejo, não de amor, nem de paixão, mas de parceria, no acalanto da noite. (Véio D'Prospero)

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo