• Alex Fraga

Reflexão - Diário de uma Idosa 81, por Joana Prado Medeiros

Sexta-feira, dia de reflexão no Blog do Alex Fraga, o texto da historiadora, professora universitária, poeta e escritora de Dourados (MS), Joana Prado Medeiros com seu Diário de uma Idosa 81.

Teço agora os fios da franja da minha rede, triste, desenrolo tentando alinhar a vida. Estão parcialmente molhados do pranto não tido, não visto e sentido já até (quase) as raias do desalento...Enrosco com forças os pés como dizendo tenha forças amanhã você terá que caminhar. Respiro fundo e coloco as mãos no chão para diminuir o balanço da rede enquanto isso a mente balança o bailado louco da vil desolação... Até quando vil caminhante errante seguirá sob o jugo dessa espada flamejante?! Em que plagas plantates o teu mal? Quantas vidas terá que viver para arranca-lo? Que amor é este que não vence NUNCA? Por que o teu melhor não é considerado? Por que juras e comunga dedicação se esta voa pela janela no inesperado sob o solo de qualquer bobagem feita? O pranto de nada serve a não ser para inchar os olhos e tornar a feição a cada dia mais triste...Por que o desamor nos pega desprevenidos sempre?????? Sob essa toga somos julgados e punidos: - Você não isso, você não aquilo...?! Se mal sabemos de nós, mal damos conta de amar a nós mesmos e mais alguns viventes e na práxis todo exercício efetivo de amar é dedicado ao outro. Pergunto: por que tantos julgamentos?...Como acertar os ponteiros de amor para quem só entende de desamor...!? ...Ah alavanca do desafeto ceifa na guilhotina todos os dias uma alma desprevenida...Amando...Morre porque o copo está com uma sujeirinha...A toalha não posta. Morre porque a carne passou do ponto...Porque o arroz ficou papa...E assim são papados os risos...E no seio doméstico a violência impera...E as bruxas vivas são queimadas devagarinho...bem devagarinho... Até o pranto não mais escorrer.

( Joana Prado Medeiros - 24/11/2021)

É Pandemia ( aqui dentro também)

— sentindo-se triste.