• Alex Fraga

Reflexão - Diário de uma Idosa 73, por Joana Prado Medeiros

Sexta-feira no Blog do Alex Fraga, dia de reflexão com o texto da historiadora, professora universitária, poeta e escritora de Dourados (MS), Joana Prado Medeiros com seu Diário de uma Idosa 73.

Houve uma Madriz.. Aquela madrugada fria em que você soltou as rédeas de seu cavalo e eu soltei a sombrinha que me prendia... Por pouco ou muitos minutos saltamos na fria madrugada na grama tomamos o nosso eu feito crianças...Cantamos e colorimos nossos medos, dois idosos sonhando flautas e rindo na relva molhada. Voltamos ao raiar do dia e com o sol na cara compramos o pão para mesa de olhares estranhos e a nossa cabeça no sonho vivido...Depois, vestimos o sonho seguindo a impressão na alma vivida...Dessa travessura nunca antes feita que nos tomou...Ficamos encantados por aquele homem e aquela mulher na madrugada fria... Não conseguimos descolar de nós aqueles instantes de sonho e tão real... Encantados seguimos sem ver o encanto que na relva ficou e insistimos por uma década, insistimos e não conseguimos mais "pegar nos dois naquela relva na madrugada fria..." Ainda buscamos...Vivemos juntos lutamos e nunca resgatamos aquele instante mágico... Sem entender nos separamos de nós real mas parado em nossos corações ficou aquele casal bailando na grama gelada... Não nos libertarmos e nem nunca conversamos sobre... Ficará eternamente o mágico indecifrável. Só sabemos que por poucos instantes estivemos juntos e hoje o pão e a lida nos separa...Ficou a nossa essência pregada na grama naquele amanhecer de Setembro...E até hoje não sabemos dizer o que nos uniu e nem o que nos separa...A neblina daquela fria madrugada aparentemente tudo cobre... E o sentimento sem tradução permanece... Lá ficamos apaixonados!

(Joana Prado Medeiros - 23/10/2021) É Pandemia.

— sentindo-se nostálgica.

25 visualizações0 comentário