• Alex Fraga

Reflexão - Diário de uma Idosa 68, por Joana Prado Medeiros

Quarta-feira no Blog do Alex Fraga, texto de reflexão, da historiadora, professora universitária, poeta e escritora de Dourados (MS), Joana Prado Medeiros, com Diário de uma Idosa 68.

Hoje esmaguei meu coração na porta...Lambi também o dedo ardido esmagado na janela...Mordi até sangrar o antebraço...Hoje, fechei na moenda o gosto do gosto da fresta do resto de minha juventude do último ensaio de minha temperança vivenda. Hoje, mastiguei o bagaço do bagaço das minhas ex irresponsabilidades... Mordi cantoneiras...E não cedi. Hoje, amorteci as últimas vestes das volúpias loucas que tinha...Hoje, morri mil x e não sei onde serei velada...Hoje, enterrei o pouquinho que restava da Joana a louca da Espanha como dizia o poeta...Hoje, fico com gosto do nada ... Só hoje, só agora a lua espanta...Abana sozinha..." Não sei de nada só sei por ora que quem não é por mim não é nada..." Amanhã, talvez o nada é ontem e a rigidez pode deitar em cama macia... Não sei, só sei que amorteci meus impulsos...Que pulsam...Pulsam... Pulsam...Agonizam em uma cama de jazz. Farei um ecocardiograma...Nas curvas e recurvas...Verei, envelheci e morro se preciso for seguirei só e não abro mão do que acredito...Hoje, enterrei o pouco que restava das luzes voláteis que por bobeira eu mantinha...Sinceramente acendo uma vela sem saber se choro ou deito meu riso...Nada como uma decisão à frente e muitas dores atrás.

( Joana Prado Medeiros - 09/10/2021) É Pandemia.

27 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo