• Alex Fraga

Reflexão – Diário de uma Idosa 32, por Joana Prado Medeiros


Quarta-feira tem texto de reflexão no Blog do Alex Fraga, da historiadora, professora universitária, poeta e escritora de Dourados (MS), Joana Prado Medeiros com seu “Diário de uma Idosa 32”.


Fui amante... Tenho certeza, poucos jantaram onde jantamos!!! Eis uma história de amor.... Bêbada de lembranças agora rezo o meu colar... Ninar!!! E ele só ele me chamava de Ninar... Nas horas doces, e, no dia a dia era Nina... A sua mulher/amante, menina Nina...Tenho um retrato seu em algum lugar guardado em uma das minhas caixas de pandora. Acho que nem quero procurar deixe o acaso da procura encontrar. Era inverno naquele Dia dos Namorados, havia um luar cheio prateado que iluminava todo o gramado do campo de futebol... Você ardilosamente fez um arranjo dos deuses, sob a grama verde colocou vários buquês de rosas vermelhas e estendeu uma toalha branca e sob ela depositou taças e queijos e morangos. Um vinho tinto seco e ainda com ousadia um toca fitas com uma seleção de músicas românticas. Aceitei seu convite para jantar, mal sabia eu que iria perder o fôlego. A exata hora você veio me buscar e a lua foi iluminando nosso caminho. Tive medo ao parar em frente ao estádio de futebol recém inaugurado em nossa cidade, você me tomou as mãos dizendo: Vem Nina...E assim sozinhos entramos naquele imenso local sem luz...A grama entrou em minhas narinas e em meu coração...Sentados feito dois pagões...Celebramos, brindamos, ouvimos músicas e beliscamos os sonhos e as juras de um amor secreto. Nosso santuário de comestíveis estava estendido no centro do gol. Mas, a nossa cama foi no centro do gramado ali fizemos o gol dos gols... Estirados de pleno gozo ouvíamos os fogos e o coro humano gritando salvas! Dançamos nus, nus do todo e qualquer que nos separava... A madrugada era alta e o serenava nos meus olhos mariscados de encantamento. Você previamente pensou em uma manta para nos cobrir... Feito anjos e coroados de ilusões e volúpias saímos do nosso santuário... Você me deixa em casa e me diz: Ninar o caso é este!!! Volto a minha vida que não mais era a vida que eu queria... Conto ao meu pai e ele bebe toda a poesia da noite que vivi e me abençoa... Ainda sentido o gramado serenado no meu corpo, coloco, então, um fim em meu casamento falido...O caso é este, corri para teus braços...Os braços do homem que fez um jantar em um estádio de futebol na noite do dias dos namorados na plena lua cheia E dia 08 de Maio foi seu aniversário. Mas, as pérolas não contam sozinhas desoladas, descobri que faz cinco anos que você foi morar no céu, e toda dor enfeitada com missangas do proibido não me deixaram te ver... Soube por acaso de tua morte. O mesmo acaso que agora alinhava o leque das minhas lembranças... Amantes amamos com juras feitas só de sonhos. Tenho um rosário de amores... E você é uma ... Não sei nomear... Só sei que teço agora as contas do meu colar... Triste ouço as cachoeiras e nela você canta...Um nordestino de Aracaju fez caju por aqui...(Joana Prado Medeiros ) É pandemia. — sentindo-se triste.

29 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo