• Alex Fraga

Poesia - Tricotadeira de versos, por Sylvia Cesto

Sexta-feira no Blog do Alex Fraga é no espaço de poesia é com a poeta e escritora sul-mato-grossense Sylvia Cesco, com " Tricotadeira de versos"


Tricotadeira de versos

Sylvia Cesco



Costurei ponto por ponto, no céu da tua boca,

meu dicionário de mágicas rimas

Utilizei somente linhas grossas, nunca finas:

-Estão pregadas lá, feito estrelas loucas,

aguardando seu tempo bom pra poetar


Colei no labirinto sutil dos teus ouvidos

uns versinhos mais mudos do que surdos

e despejei-lhes, por cima, sal e água morna:

Estão ainda lá, estribados na bigorna,

esperando, a postos, para martelar.


Remendei , no castanho escuro dos teus olhos,

os pedaços aveludados de um poema

que certa feita, eu fiz , juntando abrolhos.

mas, estão inda lá, aguardando pacientes,

A hora exata pra lacrimejar


Tricotei buquês de brancas margaridas,

de dálias, flor- de- lis, de rosas sem espinhos

e, suavemente, levei-os às tuas narinas:

talvez estejam inda por lá e quem sabe já murcharam,

à espera que acendas teus perfumes.



Trancei teus dedos ao redor da minha cintura

tricotei-os, remendei-os, coleio-os, costurei-os,

pensando, por instantes, estar segura,

com os nós de macramê, de frade e marinheiro:

Desenrolaste-os um a um... Que desventura!

"Não fora eu, mulher ateniense"...

13 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo