top of page
  • Foto do escritorAlex Fraga

Poesia - Tributo ao Índio Tanaru, por Sylvia Cesco

Sexta-feira no Blog do Alex Fraga é dia de poesia com a escritora e poeta sul-mato-grossense Sylvia Cesco, com seu Tributo ao Índio Tanaru.


Tributo ao Índio Tanaru

Sylvia Cesco


Na solidão da floresta

um índio dormiu seu último sono

e sua rede já não balança mais.


Quem era ele? Quem foram os seus pais?

Ninguém sabe nem saberá jamais.


Seu povo, sua gente há tempos não existem

caçados que foram feito animais

por mãos de outros bichos esquisitos.


O mundo conheceu dias atrás

a sua existência isolada e solitária

num buraco que lhe serviu de tekoá

para esconder seu medo e o seu destino

de intolerâncias e discriminações

pelos falsos cristãos de bênçãos revestidos.



Pobre índio Tanaru, último descendente

de uma tribo já sem qualquer representante

cuja etnia e língua morreram junto a ele.


Teria sido Uari? Uairó? Urupá? Teria sido Oroín?

Aricapu , Urumi, Tupari ou Urucu?

Que importa agora? É mais um brasileiro

que viveu enterrado no buraco até o fim,

e apenas seu nome era diferente: Tanaru.

32 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 comentário

Avaliado com 0 de 5 estrelas.
Ainda sem avaliações

Adicione uma avaliação
Ruberval cunha
Ruberval cunha
02 de set. de 2022

Um texto que simboliza a tristeza de muitas mortes em uma pessoa só. Falam agora apenas a ausência e os poetas. Parabéns Silvia.

Curtir
bottom of page