top of page
  • Foto do escritorAlex Fraga

Crônica - Primeiro Amor, por Raquel Naveira



Quinta-feira no Blog do Alex Fraga é dia de crônica com a poeta e escritora de Campo Grande (MS), Raquel Naveira, com Primeiro Amor


PRIMEIRO AMOR

Raquel Naveira


Ouço o bolero “Solamente una Vez”, na voz de Julio Iglesias. Que melodia e que letra lindas. Declarar que somente uma vez ele amou na vida. Que somente uma vez no seu pomar brilhou o fruto da esperança, iluminando o caminho da sua solidão. Que somente uma vez se entrega a alma com doce e total renúncia. Nesse momento, o milagre acontece: o prodígio de se amar verdadeiramente. Sinos de festa cantam no coração do poeta. A palavra “campanas” me lembra “campânulas”, flores mimosas em forma de sino, pequeninas e delicadas. Elas transmitem afeto, humildade, amor eterno. Tilintam nas hastes com o vento.

Essa música é de autoria do cantor mexicano Augustin Lara (1897-1970). Embora pareça uma canção romântica sobre o amor de um homem e uma mulher, foi dedicada ao guerrilheiro José Mujica, o Pepe, que foi presidente do Uruguai, de 2010 a 2015. Augustin exalta o amor de Mujica a Deus e à sua vocação de líder desejoso de justiça.

Não é, portanto, um poema sobre o avanço das primeiras paixões da adolescência, daqueles sentimentos profundos que provocam um coquetel químico no corpo e no cérebro. Não é um lamento por não conseguirmos esquecer um amor impossível que deixamos no passado, mas que sempre volta à lembrança. É um hino a um amor maior, um amor cheio de fervor, devoção, lágrimas vertidas no cárcere.

Quando aconteceu pela primeira vez meu encontro com o amor, tive a noção do que era servir com intensidade a uma causa, um país, um príncipe. Agora, com as forças alquebradas, não quero correr o risco de abandonar essa luz que brilha num candeeiro dourado. Se não ficar alerta e me arrepender, eu sei, o candeeiro será movido deste lugar. Justo esse foco que clareia minha mesa e projeta meu rosto na vidraça da janela. Que, no breu, parece uma estrela apontando para minha origem astral. Aparo os pavios, encharco-os de óleo, enquanto as folhas da amendoeira crepitam no fogo do outono. O esplendor desse candeeiro me faz guerreira. Sonhar com vitórias e imortalidade. Ah! Conheces meu trabalho, minha paciência, meu esforço espiritual. O que tens contra mim? Por que queres tirar de mim esse candeeiro? Sem ele não poderei escrever nas noites mais escuras. Perderei minha essência. Quero voltar ao início, ao dia em que senti uma chama vermelha e azul dentro de mim. Ela me deixou estranhas marcas tatuadas no peito. Voltar ao primeiro amor, o mais louco, o mais bonito e sincero. Aquele que provei somente uma vez. Foi o primeiro e será também o último.

137 visualizações8 comentários

Posts recentes

Ver tudo

8 Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
Guest
Apr 12
Rated 5 out of 5 stars.

Belíssima crônica! Parabéns, Raquel!

Like

Guest
Feb 12
Rated 5 out of 5 stars.

Refletindo sobre a música "Solamente una Vez" e a crônica de Raquel Naveira percebo que elas se entrelaçam, explorando a dualidade entre o amor humano e divino. Enquanto a melodia envolvente evoca a singularidade do primeiro amor e sua influência duradoura, a crônica expressa essa mesma intensidade emocional, destacando a importância desse sentimento como fonte de inspiração e esperança. A metáfora do candeeiro dourado na crônica ecoa a luz do amor mencionada na música, simbolizando uma chama que deve ser preservada. Assim, ao unir essas obras, somos conduzidos a uma reflexão sobre a natureza do amor e sua conexão profunda tanto com o divino quanto com o humano. Tornando essa a junção perfeita, a união de palavras e sentimentos que…

Like
Guest
Feb 15
Replying to

Seu artigo me emocionou! Não sabia da homenagem justíssima! Mojica foi dos poucos políticos que podemos admirar! Doava 70% dos honorários para o seu partido, e vivia com os 30% restantes. “Aprendi que, se você não consegue ser feliz com poucas coisas, não conseguirá ser feliz com muitas” era um de seus ditos. Ficou 12 anos preso por lutar contra a ditadura.

Like

Guest
Feb 11
Rated 5 out of 5 stars.

Como sempre. Brilhante Raquel Naveira.

Maria das Gracas

Like

Guest
Feb 09
Rated 5 out of 5 stars.

Minha lírica e apaixonada amiga! Parabéns Raquel ! Linda crônica… espero que estejam juntos até hoje!!!

Like

Guest
Feb 08
Rated 5 out of 5 stars.

Parabéns poético, magnífica escrita

Maria de Lourdes da Costa

Like
bottom of page