top of page
  • Foto do escritorAlex Fraga

Crônica - Milho, por Raquel Naveira



Quinta-feira no Blog do Alex Fraga é dia de crônica com a poeta e escritora de Campo Grande (MS), Raquel Naveira, com Milho.


MILHO


Passo pela carrocinha que vende milho, curau, pamonha. Aproximo-me: “_ Um milho, por favor.” O homem destampa o caldeirão fervente, de espigas que boiam nas palhas verdes. O vapor cheiroso sobe pelos ares.

Lembrei-me das roças de milho da minha infância, de como andávamos entre os longos eixos de cabelos vermelhos, de como o vento balançava as hastes e os festões como bandeiras.

Cora Coralina escreveu o “Poema do Milho”, um retrato sensível do interior do Brasil. O ciclo da vida dessa planta que é alimento do gado e das pessoas. Na “Oração do Milho” ela personifica e dá voz ao milho que se dirige a Deus declarando sua humildade e pobreza. Reconhece a supremacia do trigo, pão universal, Pão da Vida consagrado nos altares. Um Deus no Pão. Quanta simplicidade. Depois dessa introdução, ela começa a descrever os tipos de milho na lavoura: seco, granado, virado, maduro, debulhado, mascado. O lavrador atirando as sementes nas covas e arrastando a terra com o pé. Sacerdote e plantador. O milho nascendo, se levantando, encorpando. Masculino e feminino, germinando em saias, túnicas, cabeleiras, fragrâncias, pendões, pólens, numa extravasão de libido vegetal. Força de gênese.

Rute, a personagem bíblica, respigava grãos entre os feixes, apanhava espigas dos segadores nos campos de seu amado Boaz. Cora diz que o grão que cai não deve ser respigado, que é o direito da terra, que a espiga perdida pertence às aves que têm seus ninhos e filhotes a cuidar. Ao lavrador, bastam o monte alto, a cesta cheia.

Devoro com gosto os grãos amarelos. Os dentes rangendo no sabugo, como uma ameríndia do Novo Mundo. Uma asteca adornada de plumas, colares de pedra, segurando nas mãos um girassol. Minha civilização está perdida, mas meus lábios continuam rubros, cheios de pólen dessa inflorescência dura que se transforma em papa de farinha. Na selva, vive ainda o espírito do jaguar. O reino do imperador Montezuma não ofereceu resistência aos homens estranhos que chegaram em navios de velas brancas. Que surpresa a deles quando viram o milharal enramado, os falos ofertados e pujantes sob a lua cheia. Foi a deusa Quetzalcoáti que engendrou os homens e o milho com a ajuda de larvas, abelhas silvestres e ossos moídos de gerações passadas.

Seguro nas mãos as palhas do milho quente, cascas boas e fibrosas. Eça de Queirós, romancista português, autor de “Os Maias” e “O Crime do Padre Amaro”, livros que amo, viveu em uma aldeia chamada Verdemilho, na casa de seus avós paternos. Poderia ter cantarolado um antigo fado: “_ Milho verde, milho verde/ À sombra do milho verde...”

Senti-me nutrida, satisfeita. Um dia vivi no ritmo da natureza. Hoje me alegro com uma simples carrocinha que vende milho na rua.

138 visualizações4 comentários

Posts recentes

Ver tudo

4 Kommentare

Mit 0 von 5 Sternen bewertet.
Noch keine Ratings

Rating hinzufügen
Gast
06. März

Mais um texto maravilhoso da Raquel!


Gefällt mir

Gast
29. Feb.
Mit 5 von 5 Sternen bewertet.

❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️

Gefällt mir

Gast
29. Feb.
Mit 5 von 5 Sternen bewertet.

Sensacional.. texto primoroso. Celi Oliveira - Porto Alegre PR

Gefällt mir

Gast
29. Feb.
Mit 5 von 5 Sternen bewertet.

Milho verde cozido cheiro de roça e de infância, não existe nada mais gostoso e aromático do que cheiro de milho.

Bela crônica.

Maria de Lourdes

Gefällt mir
bottom of page