© 2023 por O Artefato. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Instagram B&W
  • Alex Fraga

Crítica – Trio Titãs emociona com sucessos e histórias lotando Palácio Popular


Três dos Titãs resolveram passear com suas canções pelo Brasil e no último sábado foram parar no Palácio Popular da Cultura em Campo Grande. A expectativa era enorme é claro, justamente porque estariam lá Branco Melo, Sergio Britto e Tony Bellotto para fazer uma espécie de show acústico informal, onde cantaram sucessos da carreira de uma das melhores bandas do país, mas que dessa vez num bate papo musical, onde contaram como algumas composições foram compostas. E assim o show iniciou para delírio do público que lotou completamente no teatro como há muito tempo não se via.


O chamado “Trio de Ferro” gradativamente começava a mostrar porque são os “Titãs” sem fronteiras. Sucessos como “Sonifera Ilha”, do álbum Titãs de 1984 logo de cara já deixou a todos com vontade de dançar e cantar. E na realidade é que apesar de não estarem os oito músicos da época, o som saiu diferenciado e muito interessante com piano, baixo e violão elétrico. Outras belas canções com espaço para as histórias foram chegando e prendendo a atenção de todos, (aliás, quase todos, pois infelizmente em Campo Grande existem pessoas que vão ao teatro e não conseguem ficar sentadas para assistir um espetáculo, levantam constantemente para ir ao banheiro, fumar ou faze sei lá o que lá fora).

Cada um dos Titãs teve seu momento solo, mostrando musicas que consideram mais que especiais. Sergio Britto por exemplo cantou “Nem cinco minutos guardados”, do Acústico MTV (1997), e contou como ela foi composta quando na ocasião Marcelo Fromer (morto em 2001 aos 39 anos, atropelado), havia separado e morou por quatro meses em sua casa. Uma bela homenagem. Em seguida mostrou uma versão no piano de “Miséria” , do belo álbum Õ Blésq Blom (1989).


Depois Branco Melo foi chamado para mostrar também um pouco mais do seu talento, chamado por Britto de “Highlander” que afirmara que estava muito feliz em estar voltando a cantar após ter lutado e vencido um câncer na laringe. Sua fala contagiou e emocionou o público que calorosamente o aplaudiu. Por fim Bellotto mostrou seu lado também de cantor, cantando inicialmente a versão: “Querem Meu Sangue – The Harder They Come”, da canção do jamaicano Jimmy Cliff. Por um momento até esqueceu a letra, mas o publicou o ajudou.



As histórias das composições eram contadas com muito humor, no caso do sucesso “Cabeça de Dinossauro” que foi composta dentro de um ônibus. Outra: “Epitáfio”, uma das mais lindas canções dos Titãs e que inicialmente seus primeiros versos foram feitos em uma pequena ilha de Santa Catarina (Papagaios). Sucessos outros e o público sempre cantando, como “Enquanto Houver Sol”, “Homem Primata”, “Polícia”, “Comida”, “Porque eu Sei o que é o Amor”, “Flores” entre outras, inclusive duas do álbum de Opera Rock intitulado “Doze Flores Amarelas” lançado o ano passado. Um show impecável mais uma vez acertado por Pedro Silva Promoções e Jamelão. Sem dúvida, ficou na memória que todos que puderam assistir esse belo espetáculo musical.

81 visualizações