© 2023 por O Artefato. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Instagram B&W
  • Alex Fraga

Crítica – Produção perfeita e show impecável de Djavan!

Há certos shows que se tornam inesquecíveis não apenas pelo artista e suas canções. Mas o espetáculo Vesúvio do cantor e compositor alagoano Djavan realizado no último sábado no Shopping Bosque dos Ipês foi algo completo, unindo o bom gosto da produção com o trabalho apresentado musicalmente. Antes mesmo de falar sobre o show em si, devemos ressaltar o trabalho de produção, segurança, serviço de bebidas e alimentação e atendimento pelos organizadores: Pedro Silva Promoções e Jamelão que mais uma vez deram exemplo de como realizar um trabalho sério e de primeira linha como ocorrem nos grandes centros. Não é fácil trazer um show como esse pois os custos são extremamente elevados. O público campo-grandense muitas vezes reclama de bons espetáculos, no entanto quando surge, acham caro. Para se ter uma ideia, Djavan estará cantando no Rio de Janeiro no fim de semana próximo e a entrada mais barata está custando R$ 480,00 sem direito a nenhum consumo. Está mais do que na hora das pessoas prestigiarem bons espetáculos e parar de reclamar e pedir até parcelamento do preço da entrada.


Mas então... Djavan entrou no palco por volta das 22 horas e 40 minutos e com um time de músicos de dar inveja: os tecladistas Paulo Calasans e Renato Fonseca, na guitarra Torcuato Mariano, no baixo Arthur de Palla e o grande baterista Felipe Alvez. Um cenário maravilhoso com dois grandes telões mostrando todos os detalhes dos artistas e uma iluminação de encantar os olhos. Ao fundo quando a banda tocou a canção Vesúvio, um leve pano no fundo sobrevoava e deixou o público na dúvida se era mesmo um pano ou projeção na tela. Perfeito! Abriu o show com uma de suas novas canções intitulada Viver é dever. Em seguida a bela e conhecida “Eu te devoro” que mexeu com o público que lotou as dependências do Shopping. Procurou mesclar novas e velhas canções de sua longa carreira. Vieram então: Topázio, Solitude, Amar é tudo, Quero-Quero, Nuvem negra, Meu Romance, Esplendor, Cigano, a tão linda Esquinas que teve um coro do público e Acelerou.

Depois ocorreu o momento solo de Djavan. Disse que iria homenagear a natureza, as pessoas, o amor, e lembrar sua mãe na infância. Cantou Maderessilva, Orquídea e a tão maravilhosa Flor de Lis, um dos seus primeiros sucessos e que participou de um festival de música. Veio então Vesúvio, canção que leva o novo de seu espetáculo, depois Nem um dia, Flor do medo, Baile e a extremamente bela “Se”, seguindo com as conhecidas Samurai, Sina e finalizando seu repertório com Cedo ou Tarde. Apesar do lindo show e delírio do público, timidamente o “bis” foi pedido e o artista retornou para cantar pertinho do público (chamou a todos para se aproximar do palco) mais três grandes sucessos: Oceano, Um amor puro e finalizou o espetáculo com Lilás. Djavan estava feliz e para tanto foram mais de duas horas de espetáculo.

Um show que com certeza ficará na cabeça de todos que puderam assistir esse evento maravilhoso e perfeito e tudo.

141 visualizações