• Alex Fraga

Crítica – Odon Nacasato faz show com muita emoção e repertório impecável!


O músico e produtor Odon Nacasato resolveu soltar seu trabalho em show na última sexta-feira no Centro Cultural Sesc Morada dos Baís, mesclando canções do trabalho autoral do CD Fragmentos e outras canções de bandas e artistas nacional e internacional. Nervoso e muito emocionado, o artista iniciou o show mostrando-se inseguro, o que influenciou até mesmo em sua voz. Natural até porque há algum tempo não tocava e cantava para um público, pois seu trabalho musical por anos vem sendo realizado em estúdio.

Mas, no entanto, até mesmo sabendo da capacidade do artista, algo bom iria sair com o decorrer do show, o que ocorreu com o passar do tempo. A banda formada com Carlão Batera (um dos melhores do Estado), o conhecido e talentoso Nando Sanchik (com violão de 12), Rafael Augusto (teclados), Juninho MPB (contrabaixo) e o guitarrista douradense que particularmente acho que está entre os três melhores no Mato Grosso do Sul, Simão Gandhi. No backing voval, Layne Francynni, dona de uma suave e belíssima voz, Josi Felipeto e Tom Atagida (ex-grupo Terra de Corumbá) que deram suporte a toda musicalidade do show.

Essa mistura de sons deu aquele ar de que o espetáculo fosse completamente emotivo. Um repertório agradabilíssimo e sem dúvida garantiu essa viagem tanto na boa música popular brasileira, regional, como as internacionais. Tudo escolhido “a dedo”. As três participações especiais fizeram por merecer estar no palco com Odon e sua banda. Téo Raulzito, emocionou muito o “dono da festa” com a canção “Descoberta”. Em seguida, a participação de Geraldinho Damasceno que há anos também não pisava em um palco, mas que tem um trabalho musical fantástico e cantou um blues autoral “Sentimento Blues”, muito aplaudido pelo público presente.

Matheus Loubet, um garoto que se destacou em um programa nacional de música, foi a terceira participação especial e mostrou seu grande talento cantando nada menos do que “Oh Daring” (Beatles), arrancando aplausos e até mesmo pedido de bis. O mais interessante que ele mostrou profissionalismo deixando o artista dar prosseguimento ao seu show. Odon cantou e tocou canções belíssimas que estão em seu CD, como “Verdades”, “João Pedro”, “Branco e Preto”, Magia (que foi gravada pela dupla Américo e Nando) e “Fragmentos”. Mas, cantou “Indiozinho”, de Tito Monteiro e Ciro Pinheiro” e a bela e pouco conhecida “Guerra Santa”, de Geraldo Espíndola e Arandas Jr.

O interessante neste show é que o repertório além de ser muito bom, trouxe saudades pois todos puderam ouvir canções pouco tocadas hoje em dia, como: Black Bird, Ebony anda Ivory, Skyline Pigeon, Something, Panes et Circenses, a inigualável e linda “Rua Ramalhete” do eterno Tavito, Quem Tem a Viola, Sapato Velho, Caçador de Mim., Intituição e Estrelas e Bandolins de Oswaldo Montenegro. Mesmo com o nervosismo natural do inicio do show, Odon Nacasato acertou neste show emocionante e com muita pureza. Como sempre digo, é extremamente fácil fazer uma apresentação com canções conhecidas e “covers” como vários o fazem e o público gosta sem ao menos prestar no trabalho. No entanto, o desafio é mesclar canções autorais com as consideradas “Lado B” com tanta competência. Odon fez isso com grande qualidade e profissionalismo. Muito bom.

0 visualização

© 2023 por O Artefato. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Instagram B&W