• Alex Fraga

Crítica - Iara Rennó: uma explosão poética musical em show na UFGD


A compositora, cantora, instrumentista, produtora musical, performer, atriz e poeta Iara Rennó mostrou na semana passada no auditório da UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados que é sim uma das principais artistas dessa nova geração surgida nos últimos anos. A "menina" Iara Rennó mostrou que é uma artista diferenciada com seu canto poético na sua apresentação na premiação da Mostra de Audiovisual da instituição de ensino em Dourados (MS). Com apenas voz e violão, ele passeou no palco com algumas das suas canções dos álbuns lançados como AfrodisíacA, Arco, Fecha, IARA e o lindo Macunaíma Ópera Tupi. Canções com parceria Céu, Tetê Espíndola, Josyara, Duda Brack e não esqueceu de cantar as seus tios: Geraldo Espíndola e Jerry Espíndola. No entanto, um momento especial quando cantou "Azeite", composição de sua mãe, Alzira E juntamente com Itamar Assumpção e Jerry. Neste show Iara mostrou que é essa explosão musical diferenciada de tudo que está surgindo, mesclando sua força mulher e com personalidade forte em letras musicais que fazem com que possamos refletir e buscar novos caminhos. Ela faz parte dessa terceira geração da Família Espíndola onde faz questão de marcar esse compasso musical para o público. Nesse espetáculo, mostrou sua preciosidade artística, brilhando a cada música com uma personalidade incomum. Às vezes a música mostrava claramente que estava servindo de moldura para a poesia de suas composições. Seu canto, mostrou na UFGD, libertação, prazer feminino e o lado provocador de ser. Apesar do número restrito de pessoas devido a produção da universidade se preocupar com os cuidados nessa pandemia (evento foi transmitido online), quem pode assistir o show de Iara Rennó sentiu de perto toda a emoção de uma dos grandes nomes atuais da música brasileira. Iara Rennó é uma explosão musical poética. A direção da Universidade Federal da Grande Dourados está de parabéns em trazer essa artista inovadora. Nesses novos tempos e difíceis, temos sim que resistir com bons espetáculos culturais!