• Alex Fraga

Crítica – Guilherme Rondon e Urbem fazem show perfeito em Bonito!

Há certas coisas que acontecem no Mato Grosso do Sul, principalmente no setor Cultura que são incompreensíveis. Há certos artistas que posições contrárias e certas no que se refere a política cultural, não são incluídos nos projetos culturais. Há músicos que valorizam o trabalho autoral e regional e que por outros motivos são colocados de certa maneiro em uma “lista negra” para que não participem de projetos governamentais ou mesmo municipais, mesmo que tenham reconhecimento nacional.


Ontem, o público que inicialmente veio para assistir o show de Gal Costa no Festival de Inverno de Bonito, cerca de 7 mil pessoas, pode ter o prazer que sentir toda a sensibilidade musical e poética de Guilherme Rondo e a banda Urbem. Abrir o show de uma estrela brasileira e com um público refinado musicalmente, com certeza tem que estar a altura dessa diva. Que bom que foi assim. O show mostrou que sem dúvida alguma Guilherme Rondon é um dos artistas mais completos do país e que deve ser mais valorizados no Mato Grosso do Sul como o é nacionalmente e respeitados por grandes artistas como Ivan Lins, Zélia Duncan, Nana Caymmi, Rosa Maria, Almir Sater, César Camargo Mariano e tantos outros.


O show em conjunto com a maravilhosa banda Urbem, só acrescentou todos os elogios possíveis que podemos dizer desse grande artista. Na realidade, o show se completa com esses competentes artistas. A Urbem com seu som refinado encantou. A voz afinadíssima da cantora Bianca Bacha (vocal e violão) que ao lado de Guilherme fez um duo vocal maravilhoso. Um casamento de vozes que deu muito certo. Gabriel Basso, verdadeiro gênio do contrabaixo com seu segmento sonoro jazzístico mostrou um som limpo e com um jeito de tocar invejável. O baterista Sandro Morena dispensa comentários. Está entre os melhores bateristas do país e deu uma verdadeira aula de técnica e sensibilidade. A pianista Ana Ferreira, que é compositora, é outra alma que se completa com os componentes da Urbem. Quando a banda tocou uma de suas músicas, foi algo mágico. Uma canção surreal, linda em todos os sentidos. Sonoridade diferenciada fez com que o público nota-se perfeitamente o profissionalismo de todos.



O público teve esse prazer de assistir finalmente o músico e a banda em um grande evento. Tudo absolutamente perfeito e até mesmo Guilherme que muitas vezes é contido no palco, estava solto, leve e feliz. Um momento lindo foi quando tocaram a música Vida Bela Vida, do CD de Piratininga de Rondon lançado em 1993. O público cantou e o artista até mesmo mostrou essa felicidade quando mudou no improviso uma palavra da letra e cantou: “Vida bela, linda vida, só quero viver, muito tempo ainda, junto com “VOCÊS”. A participação especial do guitarrista Gabriel de Andrade preencheu ainda mais toda sonoridade.

Uma pena que o show de apenas uma hora e o público pediu até o bis, mas infelizmente tiveram que sair pois era hora do show de Gal Costa. Na última música, uma grande homenagem ao cantor e compositor Geraldo Roca, com a canção “Japonês tem 3 filhas” no ritmo da polca, fazendo o público presente dançar muito. Um espetáculo que ficará na memória de todos. Vida a música autoral. Perfeito, perfeito e perfeito. Salve Guilherme Rondon. Salve a banda Urbem!

0 visualização

© 2023 por O Artefato. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Instagram B&W