• Alex Fraga

Crítica - Gal brilha em show com produção impecável!

Produtores Pedro Silva e Jamelão mostraram que com um trabalho sério e todos os cuidados, eventos podem ser realizados tranquilamente em Campo Grande.


Fotos - Valentim Manieri

Quem assistiu o show "A pele do futuro", com a baiana Gal Costa no último sábado no Ondara Palace, com certeza pode presenciar um dos melhores espetáculos que já foi realizado em Campo Grande. O retorno dos grandes eventos não poderia ser melhor. Desde a organização com todos protocolos de segurança, como a estrutura do local, tudo perfeito. Pedro Silva Promoções e Jamelão deram uma aula de como fazer um evento de primeira, mesmo após mais de 1 ano e meio sem poder realizar trabalhos na área cultura. A simplicidade com genialidade no palco e um jogo de iluminação perfeito a cada música cantada por essa que sem dúvida, com seus 76 anos, (continua sendo uma das vozes mais afinadas do país) fizeram tudo ficar ainda mais belo. O show teve início no horário previsto como sempre ocorre nas produções de Pedro Silva e Jamelão. No entanto, para variar, muita gente ainda em Campo Grande continua com essa péssima mania de chegar atrasado. Para se ter uma ideia, algumas pessoas chegaram até após 50 minutos de show. Às 21h15, Gal Costa entrou no palco com sua banda composta com músicos fabulosos, cantando a versão "Dê um rolê", de Luiz Galvão e Antônio Pires. Um instrumental voltado para o rock n roll, com acordes distorcidos e que já levou o público ao delírio. Aliás, a banda foi um show a parte, mesclando rock, blues e jazz na maioria das músicas. Seguindo de " Mãe de todas as vozes", de Nando Reis; "Mamãe Coragem", de Torquato Neto, Caetano Emmanuel e Teles Veloso; e continuou com a conhecida obra de Caetano Veloso, "Vaca Profana". Cantando com muita felicidade, Gal demonstrou toda sua alegria de estar de volta aos palcos após esses tempos de pandemia. Vieram então "Viagem Passageira" de Gilberto Gil; a bela "London London", de Caetano, Emmanuel Viana e Teles Veloso; e como não poderia faltar, "Nas curvas da estrada de Santos", de Erasmo Carlos e Roberto Carlos. Cantou “Motor”, um blues-rock-balada escrito por Tiago Oliveira, vocalista da banda baiana Maglore , e mais uma vez encantou a todos. Com "Lagrimas Negras", de Jorge Mautner e Nelson Jacobina, a cantora mostrou seus agudos perfeitos; "Que pena", (Ela já não gosta de mim) de Jorge Benjor; depois a linda canção "Sua Estupidez", também de Erasmo e Roberto, causou suspiros no público. "Palavras no Corpo", de Silva e Omar Salomão; "Volta", de Ronaldo Boscoli e Roberto Menescal; "O que que há", sucesso na voz de Fábio Junior, de Sergio Antônio e Fábio Correa, vieram na sequencia. Então chegou a tão esperada "Chuva de Prata" de Ed Wilson e Ronaldo Basto, com um efeito de iluminação lindo. "Brasil", de Cazuza não poderia faltar e mais uma vez levantou o público que em determinado momento gritou palavras de ordem contra do presidente da república. "Sublime", de Dani Black (filho de Tetê Espíndola), com um som muito dançante lembrando a época das discotecas, outra vez alegrou todos e emendando com a canção de Vinicius Poeta, Marília Mendonça, Juliano Tchula e Junior Gomes, a chamada "Cuidando de Longe". Gal encerrou seu show com uma das lindas canções de Djavan, "Azul". Mas o público pediu bis e ela retornou com canções de carnaval que fizeram sucesso em sua voz: "Bloco do Prazer", "Balancê" (Eu quero dançar com você). Um show que sem dúvida ficará na cabeça de todos. Completo e de muito bom gosto em tudo! Em seu twitter ela escreveu: @GalCosta: "Recomeço! Muito obrigada pelo carinho e energia, Campo Grande!". E que recomeço !!!


Fotos - Valentim Manieri


124 visualizações0 comentário