• Alex Fraga

Crítica – Cristiano Negão: um “gigante do samba” em Live de Bibi do Cavaco!


Para fazer uma live nestes tempos de pandemia, principalmente de samba onde este ritmo necessita estar unido com pessoas alegres que amam dançar e cantar, talvez seja até um pouco complicado “segurar” toda a onda. No entanto, quando se reúnem músicos de qualidade, a história é outra. Assim no último sábado (25), o “Samba na Sacada”, projeto musical virtual do músico Bibi Carvalho, ou seja, Bibi do Cavaco (direto da sacada de seu apartamento) mostrou que pode sim levar essa alegria para as pessoas. Mais uma vez uso uma frase do grande Nelson Sargento que disse: “Investem muito nos ritmos que estão em volta do samba. O samba reggae, o samba pop, o samba não sei mais o quê. Mas isso não me perturba, porque eu chamo de movimentos. Movimentos passam, já o samba não, porque o samba é uma instituição. Não vai passar nunca”. E esse samba de qualidade continua e o encontro foi sem dúvida um dos melhores momentos de lives em Campo Grande neste ritmo. O convidado especial, Cristiano Negão que participou do grupo Zueira nos anos no final dos anos 80 e inicio de 90 juntamente com Bibi, mostrou por que é um dos principais nomes e chamado de um dos “gigantes” do samba no Estado. Acompanhados por Néio de Jesus no tam tam e percussão (um dos melhores do país) e Gerson Espinosa no violão (excepcional), além de uma surpresa de última hora, Gideão Dias. Num clima de muita descontração, a “roda de samba” ou “samba de mesa”, começou com Bibi, Cristiano Negão e Gideão puxando Fundo de Quintal: “Nascente da Paz”(Bororó), “Não Tá Nem Aí” e uma de Zeca Pagodinho, “Posso Até Me Apaixonar”. E não pararam por aí, emendaram com a conhecida do grupo carioca “Fundo do Quintal”, “Vai Lá, Vai Lá”. Os intervalos foram sempre para Bibi do Cavaco perguntar e falar das histórias, como da chegada de Cristiano Negão em Campo Grande, aos 15 anos. O samba não parou, “rolando” muita interação com os internautas (algo que as pessoas que fazem lives devem fazer sempre, e normalmente não ocorre). Vieram então outros belas, como “Minta Meu Sonho”, Jorge Aragão, “De Onde Eu Venho”, Grupo Balacobaco e a linda “Lama Nas Ruas”, de Almir Guineto. Assim, Bibi tomou as “rédeas” do samba para fazer uma releitura de uma das composições minha (Alex Fraga), juntamente com o músico Paulo Ge, que foi gravada em disco pelo próprio Paulo em seu disco na voz de João Fígar e no disco de Gilson Espíndola, com arranjos de Antonio Porto. Em samba canção ficou linda e que mereceu elogios dos sambistas presentes. Gideão Dias ao final, cantou o refrão da música por duas outras vezes. Ousadia faz com que o artista mostre seu potencial e assim o fez Bibi do Cavaco com “Lareira”. Deram depois continuidade com “Nossa Escola” dos compositores Ronaldo Camargo, Vinicios Manga, Pipa Vieira, Gabi, Alex e Luciano Pereira Santos "Bom Cabelo", na sequencia, “Recado a Minha Amada” e “Apaixonadamente”, do Katinguelê; “Mas Quem Disse Que Eu Te Conheço”, de Beth Carvalho; “Quem É Ela”, Zeca Pagodinho; “Caminho das Flores”, Grupo Revelação que foi cantada maravilhosamente por Gideão. Encerrando a Live de uma hora, mais três belas músicas: “Castelo De Um Quarto Só”, de Renato da Rocinha; “Agora Viu que Perdeu e Chora”, do saudoso Reinaldo e terminado com “Alma Boêmia”, de Diogo Nogueira. Uma live de qualidade com artistas de qualidade. Cristiano Negão “arrebentou”. Um trabalho que tocado em uma hora, chega ser até uma maldade para quem está assistindo. Lindo e deixou um gosto de quero mais! Aguardamos o próximo convidado de Bibi do Cavaco em sua “Samba na Sacada”.

142 visualizações

© 2023 por O Artefato. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Instagram B&W