top of page
  • Foto do escritorAlex Fraga

Crítica - Única: é a palavra quando nós nos referimos o nome Tetê Espíndola!


No dicionário da língua portuguesa, um dos significados de "afinada", no verbo transitivo e pronominal diz: "Tornar ou tornar-se melhor ou mais perfeito". Pois é, quem teve a oportunidade de assistir a apresentação da cantora sul-mato-grossense Tetê Espíndola, no show "A Era dos Festivais" na semana passada no Blues Bar em Campo Grande -MS, pode sentir essa perfeição ainda maior. Agora, aos seus 70 anos, Tetê mostrou que é uma cantora singular - única. Interpretando canções que fizeram história nos grandes festivais de música, entrou no palco já cantando nada menos do que "Arrastão", de Vinicius de Moraes e Edu Lobo, eternizada por Elis Regina no Primeiro Festival da Música Popular Brasileira, da TV Excelsior. Em seguida, "Travessia", de Milton Nascimento. Tetê encantou. Soltou a voz com música composta por Caetano Veloso em 1967, sendo o marco inicial do movimento Tropicália, "Alegria Alegria". Vieram então "Carolina", de Chico Buarque que por incrível que pareça ficou em terceiro lugar no II Festival Internacional da Canção Popular (FIC). Todos que estavam assistindo, ouviram uma Tetê até diferente - voz branda, mas com a afinação impecável que lhe é peculiar. Uma Tetê que estava mostrando o que é o cantar outras linhas e tendências do que realmente não está acostumada em colocar em sua voz. Mas é aquilo, toda bonita canção se encaixa em uma bela voz. Tetê então chegou mais surpreendente e com a gostosa "Sabiá" e "Passarim", ambas de Tom Jobim e Sinal Fechado, de Paulinho da Viola. Lembrando os tempos que trabalhou com seu amigo Arrigo Barnabé, cantou "Londrina", vencedora do Melhor Arranjo, do Festival da Globo em 1981. Não poderia faltar é claro, "Planeta Água", de Guilherme Arantes. Assim Tetê foi passeando em mais sucessos de festivais, "Sorriso", "Dois Mil e Um", além da conhecida por todos "Domingo no Parque", de Gilberto Gil. "Ponteio", de Edu Lobo e Capinam, interpretada na época por Marília Medalha. Por fim e a esperada por todos, "Escrito nas Estrelas", de Arnaldo Black e Carlos Rennó, que foi a grande vendedora do Festival dos Festivais, em 1985. Um show perfeito. O pedido de bis veio pelo público e assim Tetê magistralmente cantou "A Banda", de Chico Buarque. Um show mágico com uma banda com músicos mais que especiais: Antônio Porto (baixo), Sandro Moreira (bateria), Sérgio Espíndola (violão) e Ana Ferreira (piano). Tetê aos 70 anos está mais afinada do que nunca!!!

(Fotos: Afonso Rodrigues Jr)








A Banda

70 visualizações6 comentários

Posts recentes

Ver tudo

6 Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
Guest
Mar 21
Rated 5 out of 5 stars.

Muito profundo.

Luana Jorge - Campo Grande MS

Like

Guest
Mar 20
Rated 5 out of 5 stars.

Diva!

Jussara Silva - São Paulo SP

Like

Guest
Mar 20
Rated 5 out of 5 stars.

👏👏👏👏👏👏👏👏❤️

Like

Guest
Mar 20
Rated 5 out of 5 stars.

Tetê! Uma artista que encanta e absorve a arte!

Like

Guest
Mar 20
Rated 5 out of 5 stars.

Um encanto. Uma artista única realmente. Parabéns pela crítica.

Paulo Henrique Medeiros - Campo Grande MS

Like
bottom of page